A Caixa Econômica Federal anunciou, nesta quinta-feira (1º), o aumento no prazo de pagamento de financiamento imobiliário dentro do programa habitacional Casa Verde e Amarela (CVA). O prazo máximo para esse tipo de operação era de 30 anos e agora será de 35 anos. “Isso significa dizer que as pessoas terão condição de comprar o imóvel com uma parcela mais adequada ao seu orçamento ou, ainda, adquirir um imóvel de valor um pouco mais elevado, uma vez que a ampliação do prazo aumenta a capacidade de compra das famílias”, disse o secretário nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Alfredo dos Santos.

De acordo com Santos, a adequação do prazo de pagamento do financiamento iguala as condições do Programa Casa Verde e Amarela às operações de mercado, que já têm o prazo de 35 anos. Henriete Bernabé, vice-presidente de Habitação da Caixa, explicou durante apresentação à imprensa que a ampliação no prazo pode trazer uma redução de até 7,5% nos valores das parcelas.

A Lei nº 14.438/2022, que amplia o período, também autoriza que os depósitos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) possam ser usados como caução nas parcelas do financiamento. As medidas integram uma série de ajustes no Casa Verde e Amarela. Em julho deste ano, as faixas de renda familiar foram ampliadas e os subsídios – a depender da renda, localização e características do imóvel – foram ampliados.

A subfaixa 1, de renda entre R$ 2.400 e R$ 2.600, teve o teto ampliado a R$ 3 mil reais. A faixa mais baixa de até R$ 2.400 foi mantida. Acima destes patamares, o Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CCFGTS) aprovou ainda a elevação de valores do grupo intermediário – que subiu de R$ 2.600 a R$ 4 mil para R$ 3 mil a R$ 4.400 mensais – e do grupo de renda maior, que passou de R$ 4 mil a R$ 7 mil para R$ 4.400 a R$ 8 mil.

Segundo simulação feita pela Caixa, em um financiamento de R$ 97 mil considerando uma família com renda de R$ 2,7 mil, o valor da prestação passa de R$ 810 para R$ 710.

O banco informou também que a partir de agora é possível financiar imóvel de um quarto. Antes, a exigência era de dois quartos por residência.

O presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Sergipe (Creci-SE), André Cardoso, está cumprindo agenda em Brasília mas, ao saber da notícia, celebrou a mudança. “É uma iniciativa que, sem dúvidas, aquece ainda mais a economia e movimenta o mercado. Os corretores de imóveis que estiverem atentos às novidades e continuarem se especializando, se aprimorando e investindo em boas parcerias, certamente terão melhores resultados”, pontuou.

Fonte: Portal G1